Página inicial do Secretaria do Estado de Educação

Protagonismo juvenil eleva participação dos alunos nas escolas estaduais

10/08/2020 16h28 - Autor: Ascom/Seduc 141 visualizações
Foto: Protagonismo juvenil eleva participação dos alunos nas escolas estaduais
O jovem estudante de Igarapé-Açu, Iranilson Miranda, é um dos jovens parlamentares do Pará em Brasília

O protagonismo juvenil é apontado pela nova Base Nacional Comum Curricular como um dos maiores desafios das escolas públicas brasileiras para envolver os alunos no sucesso escolar. Na rede estadual de ensino, as escolas vêm atuando desde 2019 para incentivar o desenvolvimento dos estudantes em todas as suas dimensões. Neste 11 de agosto, data em que se comemora o Dia Nacional do Estudante, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) comemora os primeiros resultados do trabalho desenvolvido no atual governo para influenciar o protagonismo de jovens alunos na melhoria da educação e da sociedade.

Estudar, sonhar, acreditar e persistir. Foi tomando posse dessas palavras que os estudantes Iranilson Miranda, de 17 anos, de Igarapé-Açu e Breno Sanches, de 18 anos, de Belém tornaram-se referência em suas escolas. Em 2019, por incentivo da Seduc e com a ajuda dos professores, eles representaram o Pará no Congresso Nacional.

Iranilson, da Escola Cônego Calado, foi um dos finalistas do Programa Parlamento Jovem Brasileiro (PJB), da Câmara dos Deputados, apresentando uma proposta de projeto de lei relacionada aos direitos humanos, na qual 10% dos candidatos das eleições sejam jovens. Assim como ele, os alunos Carlos André, da Escola Professor Teodato de Rezende, de Salinópolis; e Camila Gemaque, da Escola David Salomão Mufarrej, de Belém, também foram eleitos alunos PJB.

Iranilson conta que não ia bem nos estudos quando a professora Valeska Mandes o incentivou a participar da seleção do PJB. Além de ser selecionado no programa, o estudante também alcançou outra conquista em 2020 ao ser selecionado para a Latin American Leadership Academy (LALA), onde fará um curso em dezembro, em São Paulo. “Todos os dias a escola pública me ensina a superar os obstáculos. Diariamente, escuto histórias verídicas de superação dos meus professores e dos alunos, pessoas que tiveram que ‘ralar’ muito para conquistar os seus objetivos”, comenta.


Selecionado em 1º lugar para representar o Pará em Brasília, o estudante Breno Sanches, da Escola Estadual Prof. Francisco da Silva, de Belém, foi o vencedor do Programa Jovem Senador Brasileiro. Na redação vencedora, Breno chamou a atenção da sociedade para que ela procure se informar mais sobre os planos orçamentários públicos. “Quando o cidadão procura se informar melhor, ele passa a ter um olhar diferente da política e entende que o bom uso dos recursos interfere na qualidade de vida das pessoas”, resume.
Ele conta que sempre teve vontade de participar de debates, mas não sentia confiança para debater, até receber a ajuda do professor de língua portuguesa José Antônio Neto. “Ser estudante é estar aberto ao aprendizado, cumprir com as atividades escolares e se dedicar sempre nos estudos”, afirma Breno.

Literatura
Apaixonado por leitura, o ex-estudante da Escola Estadual Pedro Amazonas Pedroso, Gabriel Fernandes venceu o Prêmio Nacional do Concurso Novos Talentos da Literatura na categoria prosa, promovido por uma editora da Bahia. Feliz com a projeção nacional, Gabriel planeja em dar continuidade à carreira de escritor e publicar o livro “Atormentada”, um romance que se passa na Inglaterra Vitoriana de 1837 a 1901. “O foco mesmo é não desistir, se você quer algo, se seu sonho é ser algo, não pare porque os outros não acreditam em você. Todos temos capacidade, às vezes só falta um empurrão”, considera.

Robótica
O aluno Lucas Santos é um dos muitos talentos revelados pela escola pública. Com apenas 15 anos, o estudante é engajado no meio em projetos científicos e monitor voluntário de Robótica Educacional na Escola Estadual Dilma de Souza Cattete, onde estuda. Afirma que a inspiração e identificação por essa área surgiram na infância. “Me inspirei nos meus brinquedos de infância, principalmente naqueles que montam e desmontam e assim foi aflorando essa vontade”.


O projeto que Lucas monitora também é capitaneado pela professora Keila Cattete,  primeira campeã brasileira de robótica educacional. “A professora Keila contribuiu bastante para minha motivação. Quando ouvi falar que a primeira campeã brasileira de robótica educacional estava lecionando na ‘Dima Catette’escola, pedi a meus pais para transferir-me imediatamente de escola. Isso me motivou!”, afirmou.

Conhecido como “Cientista Mirim”, o estudante tem como objetivo construir sua carreira na ciência e entre os sonhos está o de conhecer a N.A.S.A e ver de perto o foguete Apolo XIII. “Serei um grande cientista no futuro. E sonho ser reconhecido pelo mundo, sei que para isso acontecer, preciso estudar. Meu objetivo é desenvolver projetos, incentivar meus colegas e facilitar a vida da humanidade”, revela.

Busca ativa
Desde o início de 2019 a Seduc vem convocando todas as escolas e educadores a resgatarem alunos que abandonam a sala de aula. Para tanto, os estudantes têm tido uma atuação decisiva no combate à evasão escolar, que ainda é um dos maiores desafios do ensino público do País.

Deyvid Vasconcelos, de 19 anos, é um dos muitos chefes de turma de escolas estudais que ajudam a direção escolar nessa tarefa. “Quando assumi a representação da turma, percebemos que a ausência de muitos alunos da escola, foi aí que passamos a monitorar as faltas e ir em busca dos colegas faltosos”, explica. Deyvid realiza a busca ativa com a parceria da colega Alícia Nogueira, vice representante da turma da 3ª série do ensino médio da Escola Albanízia de Oliveira.


Juntos, eles observam a frequência e a partir de três faltas começam a ligar para os alunos. Em 2019 dezenas de estudantes da escola foram buscados e retornaram para a sala de aula. O trabalho acontece o ano todo e, mesmo durante a pandemia, os alunos continuam em contato com a turma por meio de videoconferência. “Mesmo a distância é preciso manter os alunos motivados para evitar a evasão. Os colegas ficam surpresos com o nosso contato, agradecem a preocupação que temos com eles. A gente se sente privilegiado porque faz bem pra gente e pra eles”, afirma Deyvid.