Página inicial do Secretaria do Estado de Educação

Para o dia das mães, famílias e professores da Creche Orlando Bitar compartilham experiência de amor e aprendizado

12/05/2024 16h55 - Autor: Fernanda Cavalcante (Ascom Seduc) 1022 visualizações
Foto: Para o dia das mães, famílias e professores da Creche Orlando Bitar compartilham experiência de amor e aprendizado
Foto: Ascom Seduc

Mãe é sinônimo de amor. Um amor grande o bastante para enfrentar desafios e dificuldades pelo bem estar de um filho. O sonho de toda mãe é ver o filho feliz e conquistando os objetivos e essa construção começa desde cedo. Por isso, no Dia das Mães, celebrado neste domingo (12), a Secretaria de Estado de Educação do Pará (Seduc) compartilha a história de mães que carregam o título com orgulho e, dentro do Centro de Referência em Educação Infantil (Crei) Professor Orlando Bitar, em Belém, representam e vivem todo esse sentimento.

Professora da educação infantil há 24 anos, Janet Miranda, se tornou mãe há 27 anos. Após uma gestação complicada, a professora que dá aula para o maternal não pode mais engravidar e conta que trabalhar todos os dias na creche e receber o carinho das crianças é uma experiência de amor que complementou o vazio que sentia. “A minha profissão foi uma extensão de ser mãe, porque é uma sequência da minha gestação. Eu sempre trabalhei com a educação infantil e isso complementou aquilo que faltou em mim, porque depois da minha primeira gravidez eu não pude mais engravidar e eu tenho os meus alunos como meus filhos do coração. Trabalhar com essas crianças é uma experiência de amor e eu vivo essa experiência como uma dádiva de Deus”, disse.

Foto: Ascom Seduc

Hoje, o filho de Janet tem 27 anos e, segundo a professora, ele veio no momento certo e ajudou a reconstruir a vida. “Tenho um filho que hoje tem 27 anos, não foi planejado, fui pega bem de surpresa, mas eu vejo que veio na hora certa, porque tudo é no tempo de Deus. Ele chegou para reconstruir a minha vida de uma forma que eu não consigo explicar. Eu tenho muito orgulho dos 27 anos que nós temos juntos. Nós moramos nós dois, apenas, e eu me emociono ao falar de tudo o que a gente já passou”, contou emocionada.

Para a secretária, Ana Luiza Moraes, mãe de um menino de 18 anos e da pequena Esther Moraes de 2 anos, que estuda na creche Orlando Bitar, ser mãe é maravilhoso. “Ser mãe é respirar pelo nosso bem maior que são nossos filhos. É pensar neles antes mesmo de acordar e pedir a Deus que a gente tenha saúde, que a gente possa viver por muito tempo ao lado deles. É se dedicar a cada segundo e dar todo o nosso amor para eles. Eles são o nosso remédio, o nosso respirar. Ser mãe é maravilhoso”, disse. Para ela, que sempre sonhou em ser mãe, ter dois filhos significa felicidade. “Eu sempre sonhei em ser mãe e aí tive um menino e eu também queria ter uma menina, mas achei que não iria acontecer porque já tinha se passado muitos anos desde que o meu primeiro filho nasceu e com 40 anos a Ester veio e hoje em dia eu sou a mãe mais feliz do mundo, quando eu achava que eu não podia mais nada, a Esther veio me ensinar que eu estava errada e eu vi mais uma vez que Deus existe e o que é o amor”, disse.

Apoio e cuidado - Na creche Orlando Bitar, Ana Luiza encontrou apoio para a maternidade. “Hoje a Esther está no maternal II, nós conseguimos uma vaga aqui em um momento em que eu precisava muito trabalhar, eu estava prestes a entregar meu lugar no trabalho e eu vim aqui, chorei, conversei e por uma vaga para a minha filha porque essa é uma das melhores escolas, a melhor creche pública que tem. Essa escola aqui só veio me ajudar a formar minha filha. As mães tem aqui, que são as professoras, eu digo que são segundas mães para ela, desde a diretora até as tias da limpeza, agradeço pelo cuidado com a minha filha e todas as crianças aqui”, desabafou.

Já para Rosana Malcher, mãe da pequena Rayane Malcher, de 2 anos, a creche Orlando Bitar representa cuidado e segurança com o bem mais precioso: a única filha. “Quando a Rayane completou um ano e meio, a gente começou a pensar em creches e começamos a pesquisar. Falamos com outras mãezinhas e vimos que a Orlando Bitar é referência porque as mãe sempre falavam muito bem daqui e graças a Deus nós conseguimos uma vaga para a Rayane. E vendo a experiência da minha filha aqui, o quanto ela tem desenvolvido, a gente fica mais tranquila de saber que o nosso bebê está num local protegido, onde é bem cuidado e o sonho de mãe é ter umas creches que nem essa”, relatou.

Foto: Ascom Seduc

Rosana sempre sonhou em ser mãe e, após uma perda, conta a experiência de ter um “bebê arco-íris” (crianças que nascem depois de mães que sofreram aborto espontâneo ou que tiveram um filho morto prematuramente). “Eu sempre sonhei em ser mãe, só que assim como muitas mulheres a maternidade para mim estava um pouquinho mais distante porque eu engravidei mais tarde, com 36 anos, mas perdi logo no início da gravidez. Depois de uns meses a gente tentou e veio a Rayane, um bebê arco-íris que veio para trazer alegria. A maternidade pra mim é algo que me deixa muito feliz, foi uma coisa muito sonhada, a Rayane foi bem planejada e foi super tranquila. Foi um parto tranquilo, tive boa recuperação e a minha bebê é maravilhosa, saudável, inteligente”, disse.

Referência - Entregue em 2022, por meio do programa "Creches por Todo o Pará", atualmente, o Centro de Referência em Educação Infantil (CREI) Professor Orlando Bitar atende mais de 600 crianças com idades de 2 a 5 anos. A unidade tem 19 salas para o maternal I e II, pré-escola I e II, brinquedoteca, enfermaria, biblioteca infantil, laboratório, multimídia e salas de dança, dos professores, do soninho e da higienização.

O Programa Creches por Todo o Pará é uma iniciativa inédita do Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Educação do Pará (Seduc), cuja meta é beneficiar cerca de 30 mil famílias, principalmente mães em situação de vulnerabilidade social que precisam voltar ao mercado de trabalho. Mais de R$ 400 milhões estão sendo investidos na construção de 149 creches em todo o Estado, para atender crianças de 0 a 5 anos de idade. Nos municípios com maior índice populacional serão erguidas duas estruturas.